Quando se trabalha com informática, é difícil não deixar de dizer que somos um tanto birutas.  Pois bem, como não só de trabalho vive o homem, temos que nos divertir, mesmo que estejamos no trabalho.

Pensando nisso, resolvi compartilhar com vocês meus queridos leitores, uma série de pequenas pegadinhas que fiz com alguns colegas de trabalho e que se tornaram lenda na Pe***bras(para não citar lugares).
Não tenho certeza do ano, mas creio que era 2006, a baia da minha equipe ficava grudada com a baia de outra equipe.  Para não citar nomes, chamarei de Leonardo, um dos integrantes desta outra equipe que foi alvo da brincadeira do  mouse wirelles ou mouse sem fio.

Tinha acabado de adquirir um mouse sem fio e havia levado ele para o trabalho.  Após uma integrante da minha equipe ter feito esta brincadeira com outro integrante da nossa equipe, tivemos a idéia de fazer a mesma brincadeira com o nosso amigo da outra equipe, que iremos chamar neste caso apenas de Rubio Leonardo.

Aproveitamos que ele havia ido beber um café para instalarmos o receptor do mouse em seu micro.  Feito isso e testado, ficamos aguardando ele voltar.  Quando o Rubio Leonardo voltou para trabalhar em sua estação de trabalho, sem ele saber, éramos 8 pessoas espionando e esperando para ver a reação dele quando o mouse começasse a se movimentar sozinho.

Nas primeiras vezes que o dito cujo começou a dar pequenos pulo na tela, ele soprou o mouse, sacudiu e até deu uns tapinhas no probre bichinho.  Tudo em vão….rs….
Quando ele pensou que tudo havia voltado ao normal, movimentos mais ousados começaram a acontecer na tela.  Diante deste fato, Leonardo ficou ligeiramente descontrolado tentando entender o que estava acontecendo, até que em certo momento ele se afastou do micro e com as mão levantadas ao céu exclamou, no que é lembrando até hoje:

– Bruno, Bruno!!  Olha!  Tá mexendo… sozinho…. sem as mãos……..!!!!!!!

Depois dessa frase e num ato de desepero apertando o botão de reset do micro, todos começaram a rir sem parar ao lado dele.  Ele sem entender nada e tentando explicar que o micro dele estava com um possível vírus manipulador de mouses, foi que ele percebeu o que acontecera.   Ele havia caído em uma pegadinha.

Sem ter muito o que fazer diante de tantos risos, ele se juntou a nós e começou a rir também.

Outras pegadinhas com este mouse foram feitas, mas estas histórias ficam para outra vez.

Abraços para todos.