Muito bem meus amigos, depois de algum tempo sem postar algo bom, aqui vai.

Para que o título deste post faça sentido, até o momento, estou desempregado e mandando currículos através do site e-panelinha, o que já me rendeu uma possível oportunidade.

Mas o que eu quero dizer é o seguinte:  como é estranho ser avaliado por uma prova (que supostamente comprova seus conhecimentos) e não pela sua experiência profissional.  Inclusive, recomendo a todos da área de tecnologia, que forem participar de processos de seleção onde terão que “programar no papel” (é, isso aí mesmo que você leu!), fixar bem em suas mentes os bons e velhos algoritmos acadêmicos.
Aconselho também, a resumir bem o currículo, pois pelo que vi, não contou muito na hora do meu futuro/ex empregador me chamar para um bate-papo, pelo menos para me conhecer e saber mais sobre o possível profissional que ele estaria somando ao seu time para ajudá-lo.

Agora quanto a “programar em papel“, esse foi o ponto mais curioso do processo pelo qual passei.  Nem na faculdade as provas eram assim, tínhamos um computador para fazer a prova.  Inclusive, as ferramentas usadas para o desenvolvimento(Visual Studio) hoje em dia, foram criadas para acelerar e facilitar o trabalho dos desenvolvedores, deixando assim mais tempo para pensarem em soluções para os problemas que lhe são apresentados.

Apesar de tudo isso, gostei.  Gostei de ser lembrado que sempre estaremos sendo testados e que estes testes, na maioria das vezes, não serão justos.  Na maioria das vezes, não provarão quem somos, o que pensamos e como realmente usamos o nosso raciocínio para resolver problemas.

É uma pena que alguns empregadores percam a oportunidade de terem em seu time um profissional muito bom, mas que foi avaliado da maneira incorreta.  Para todos estes, vai um conselho, querem aplicar prova, tudo bem, mas não se esqueçam que uma boa conversa olho-no-olho também é uma das melhores maneiras de se conhecer uma pessoa.

Por hoje é só pessoal!!

Um grande abraço a todos.